" />

Modelismo – Introdução a arte do colecionismo

Este é o primeiro de uma série de artigos com dicas sobre modelismo e para iniciarmos essa série de dicas é preciso entender a definição do modelismo desde a sua origem, material utilizado na produção dos modelos, escalas, nomenclaturas e os seus principais segmentos. Posteriormente, cada tópico levantado neste artigo introdutório será melhor detalhado em artigos futuros.

Quer Fazer Parte de Nossa Lista VIP?
Preencha o formulário ao lado e faça parte de nossa lista VIP e receba as atualizações diretamente no seu e-mail.

Modelismo

O modelismo é uma atividade que busca a reprodução em escala de uma infinidade de objetos e até mesmo de pessoas. Essa reprodução pode ser de forma estática ou dinâmica, em tamanho natural, escala reduzida ou ampliada. Podemos destacar como exemplos mais comuns de objetos representados em modelos, carros, edificações, navios, aviões, trens e outros mais.

Essa reprodução possibilita a montagem de cenários, mais conhecidos como mock-up ou dioramas, que podem recriar algum momento específico resgatando, dessa forma, parte da história.

O modelismo pode ser praticado por qualquer pessoa com diferentes fins, desde profissional ou até pelo simples prazer de um hobby. Seja qual for a finalidade é algo que exige concentração, pesquisa, raciocínio e habilidade manual que pode ser adquirida com a prática.

A origem do modelismo

O que não se tem definido é quando foi originado o modelismo. Mas, sabe-se que em civilizações antigas já utilizavam modelos em escalas reduzidas que auxiliavam na projeção de construções, incluindo projetos de navios. Utilizava-se diferentes materiais para a construção destes modelos, incluindo madeira, vidro, ferro e resina.

Os militares do passado já utilizavam mapas em escala com modelos que representavam soldados, unidades de combate em escala reduzida para projetar ataques, defesas de cidades e no desenvolvimento de novas armas. Isso também era aplicado na ciência como é o caso de Arquimedes, Leonardo Da Vinci e outros inventores da história que utilizaram modelos para projetar, testar e executar suas invenções.

É difícil determinar o início do modelismo, mas sabe-se que civilizações antigas já praticavam a arte do modelismo utilizando os materiais e ferramentas disponíveis. Na imagem um modelo em escala reduzida de um barco com várias pessoas, trata-se de uma relíquia construída pela civilização egípcia. Este modelo é considerado um artefato egipcio e esta preservado no Museu Nacional de Arqueologia, em Atenas, Grécia. Imagem.: Wikipedia Common

É difícil determinar o início do modelismo, mas sabe-se que civilizações antigas já praticavam a arte do modelismo utilizando os materiais e ferramentas disponíveis da época. Na imagem um modelo em escala reduzida de um barco com várias pessoas, trata-se de uma relíquia construída pela civilização egípcia. Este modelo é considerado um artefato egípcio e esta preservado no Museu Nacional de Arqueologia, em Atenas, Grécia. Imagem.: Wikipedia Common

A utilização destes modelos continuou em atividade atendendo a projetos civis e nas mesas estratégicas dos militares. Durante a Segunda Guerra Mundial um novo tipo de material deu origem ao plástico, trata-se do baquelite. Esse novo material possibilitou a construção dos primeiros modelos baseados em plástico, muito mais barato e fácil de serem moldados.

Até então os modelos eram desenvolvidos sem apresentaram muitos detalhes e sem obedecer a nenhum padrão de escalas. A fabricação era realizada de acordo com o tamanho apropriado de cada fabricante.

Depois da Segunda Guerra Mundial os modelos ganharam maior popularidade não ficando restrito a militares e projetistas de edificações. Surgiram os primeiros fabricantes dedicados que decidiram padronizar as escalas na produção dos modelos.

Materiais utilizados

Os modelos podem ser produzidos com diferentes matérias primas. Muitos modelistas se especializam em determinados tipos de segmentos de acordo com a matéria prima utilizada, pois cada tipo de material utilizado requer técnicas, pinturas, ferramentas e habilidades diferentes. Entre os principais tipos de matéria prima utilizada na fabricação dos modelos destaca-se a resina, madeira, ferro (metal e derivados), plástico, papel sulfite, cartolina, entre outros.

Avião em miniatura Northrop F-5 Tiger construído em aramado. O modelismo pode se utilizar vasto tipos de materiais como matéria-prima básica. Foto.: Francisco Feijes

Avião em miniatura Northrop F-5 Tiger construído em aramado. O modelismo pode se utilizar vasto tipos de materiais como matéria-prima básica. Foto.: Francisco Feijes

Há modelos que usam mais de um tipo de matéria prima e até combinações de várias delas. Existe ainda, outros materiais que são utilizados por modelistas que usam a criatividade para representar suas artes em forma de modelos.

Escalas

A escala está diretamente ligada ao modelismo, pois está relacionada com o tamanho real do objeto e a sua reprodução. Isso quer dizer que quando dissemos que um modelo está na escala 1/72 ele teve suas dimensões lineares reais divididas por 72 vezes. Proporcionalmente falando , quanto maior for a escala de um objeto menor será o tamanho do modelo em comparação com o objeto real representado.

Após a Segunda Guerra Mundial os fabricantes de modelos, que eram destinados aos militares para a elaboração de treinamento e representação das táticas, passaram a buscar novos clientes e isso fez as empresas se ajustarem a esse novo mercado. Entre as novas mudanças estava a padronização das escalas.

Após a Segunda Guerra Mundial com a popularização do modelismo, os fabricantes decidiram padronizar as escalas. A modelistas que se dedicam a somente um tipo de escala, já outros montam seus kits em diferentes escalas. Mas, em cada uma delas é necessário técnicas para conseguir o melhor nível de realismo possível. Foto.: Oficina 669

Após a Segunda Guerra Mundial com a popularização do modelismo, os fabricantes decidiram padronizar as escalas. Há modelistas que se dedicam a somente um tipo de escala, já outros montam seus kits em diferentes escalas. Mas, em cada uma delas é necessário técnicas para conseguir o melhor nível de realismo possível. Foto.: Oficina 669

Nomenclatura

Além das escalas o modelismo segue outras peculiaridades, entre elas a nomenclatura normalmente utilizada.

A seguir as nomenclaturas mais comumente utilizadas no modelismo:

Modelo: a palavra modelo vem do do latim modulus, diminutivo de modus, modo, é definida com a reprodução de um objeto ou pessoa que se pretende executar. A reprodução pode ser um avião, carro, navios, personalidades, personagens, entre outros.

Esta gostando deste artigo? Que tal ser avisado quando houver novos artigos? Basta preencher o formulário abaixo.

Quer Fazer Parte de Nossa Lista VIP?
Preencha o formulário ao lado e faça parte de nossa lista VIP e receba as atualizações diretamente no seu e-mail.

Manequim: derivada do holandês mannekin e significa homem pequeno. É um boneco que tem como objeto representar a figura humana, masculina ou feminina, para diferentes fins que podem ser científicos ou artísticos, sendo muito utilizado no setor de moda para expor roupas e no auxílio a costura.

Dragon Collector Musée Miniature 2ème Guerre Mondiale.

Diorama retratando uma luta corpo a corpo na Segunda Guerra Mundial. O diorama é um cenário em escala reduzida com enorme riqueza de detalhes que pode reproduzir um evento que já aconteceu. Foto.: Dragon Collector Musée Miniature 2ème Guerre Mondiale.

Dummy: é um termo da língua inglesa. É a reprodução da figura humana no tamanho natural construído de uma forma que permite a reprodução do peso real humano, articulações, construído com materiais que se quebram ao receber impacto. É muito utilizado em testes de impacto nas indústrias automotivas e aeronáuticas.

Maquete: do italiano macchietta que significa pequena mancha – maqueta – e também do francês maquette com o mesmo significado. É a reprodução em tamanho reduzido de um projeto arquitetônico ou de engenharia.

Diorama: a origem do termo “diorama” foi criada em 1822 por Louis Daguerre para denominar um display rotativo. A palavra tem como significado “através daquilo, o que é visto” e vem do grego di- “através” + orama” o que é visto. Trata-se de uma representação tridimensional de modo muito realista de eventos da vida real para exposição tanto para instrução ou entretenimento.

Mock-up: a palavra vem do inglês mock, imitar, + up, ser capaz de. É um modelo em escala real de um projeto, dispositivo possuindo ou não parte da funcionalidade do projeto real. Tem como objetivo testar o modo funcional de um projeto ou somente exposição para avaliação.

Protótipo: a palavra vem de prototypos, do grego e latim, significa primeiro exemplar. É um produto ou objeto destinado a fase de testes, sendo que, ainda não foi lançado para comercialização.

Modelo de série: é um produto que já está pronto para ser lançado no mercado.

Segmentos do modelismo

Outra característica importante no modelismo são os seus segmentos, destacando o aeromodelismo, automodelismo, ferromodelismo, helimodelismo, nautimodelismo e plastimodelismo.

Estes segmentos geram confusão, mas com esta descrição de cada tipo dos segmentos visa esclarecer o que cada um representa.

Aeromodelismo

Aeromodelo Sukhoi Su-27 Flanker em exibição em Avaré, São Paulo. Foto.: Common Wikipedia

Aeromodelo Sukhoi Su-27 Flanker em exibição em Avaré, São Paulo. Foto.: Wikipedia Common 

É a atividade que envolve o planejamento, construção e execução de voo de modelos em miniatura de aeronaves, balões, foguetes, entre outros que voam e que sejam controlados pelo aeromodelista. O objetivo do aeromodelismo pode ser experimental, esportivo ou hobby.

Automodelismo

Neste segmento do modelismo o foco são automóveis em miniatura que podem ser dinâmicos ou estáticos. No caso dos automodelos dinâmicos são controlados remotamente e impulsionados por combustível ou elétricos.

Ferromodelismo

O ferromodelismo abrange desde a reprodução de composições ferroviárias até a criação de dioramas completos reproduzindo em detalhes regiões geográficas onde estão localizadas as ferrovias.

Helimodelismo

O helimodelismo é a construção de helicópteros em escala reduzida, tanto civis quanto militares, preservando as características de voo e sendo controlados de forma remota, podendo ser impulsionados por motores a combustão ou elétricos.

Nautimodelismo

O nautimodelismo também conhecido como modelismo naval é a representação de modelos em escala reduzida de embarcações civis e militares. O nautimodelismo pode ser dinâmico ou estático e apresenta diversas modalidades que podem ser de competição ou hobby.

Plastimodelismo

No plastimodelismo a matéria prima essencial do modelo é o plástico, mas pode ter algumas partes composta de outros tipos de materiais. Foto.: Pinterest

No plastimodelismo a matéria prima essencial do modelo é o plástico, mas pode ter algumas partes composta de outros tipos de materiais. Na imagem um Lockheed Martin F-35B Lightning II do USMC. Foto.: Pinterest 

O plastimodelismo é uma área do modelismo que utiliza plástico, principalmente da família do estireno, como material básico na construção dos modelos.

Esse artigo teve como objetivo descrever o modelismo, assim como a sua origem, materiais utilizados como matéria prima, escalas, nomenclaturas e os segmentos que constituem o modelismo. Evidentemente, que tudo o que foi descrito no artigo serve como referência, mas não é uma regra que deve ser imposta, você pode discordar e ter outras definições para os termos, assim como, ter sua própria referência para escalas e algum tipo diferente de matéria prima que não foi citado no texto.

Se tiver algo a acrescentar ou se tiver discordado de algo se sinta à vontade para deixar seu comentário logo abaixo e podemos aprender mais uns com os outros.

Sobre Adriano Alves

Começou a escrever em blogues em 2009 como convidado e não parou mais. Hoje escreve em quatro blogues, trabalha em uma empresa como Analista de Suporte Técnico e tem como hobby ler, estudar, ouvir música, assistir filmes e seriados e, principalmente, colecionar miniaturas militares.

6 comentários

  1. Material bacana, esclarecedor para os iniciantes e também para os iniciados, a correlação entre o pesquisar e o fazer (montar), caminham juntas, o que exige dedicação a cada montagem realizada e leva os modelistas a uma constante atualização, cada modelo é sempre melhor.

    • Onildo Junior,

      realmente a montagem anda junto com a pesquisa o que aumenta mais o conhecimento histórico a respeito do objeto montado. E a cada montagem as técnicas vão se aprimorando e novas técnicas vão sendo utilizadas. Isso não para nunca.

      Obrigado pelo comentário.

  2. fernando sampaio da silva

    excelente explanação!

  3. Parabéns pelo artigo, Adriano. É bastante didático e esclarecedor. Como adepto do hobby sou um pouco suspeito para falar, mas gostei muito. Aguardemos os próximos.
    Precisamos de mais divulgação do hobby, pois hoje em dia muitas pessoas preferem o imediatismo, comprando tudo pronto ao invés de se dedicar à pesquisa e montagem. Nesse ponto o modelismo é um hobby muito saudável e instrutivo.

    • Edemir,

      a idéia é tentar colaborar de alguma forma para o hobby ser mais difundido. Concordo com você que hoje se querem tudo para ontem, mas não há uma colaboração em pesquisar, ler um pouco sobre determinado assunto para facilitar o entendimento.

      Em breve teremos novos artigos mais focados em cada segmento.

      Abraço e obrigado pelos elogios.

      Adriano Alves

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Scroll To Top

Faça parte de nossa lista VIP!

Você quer ser o primeiro a receber nosso conteúdo? Basta cadastrar seu e-mail agora.

Thanks for subscribing. Please check your emailPlease fill in all required fields

Somos Contra SPAM!