" />

Canhão de Assalto Stug III Sd.Kfz. 142 – Apoiando a infantaria

Sturmhaubitze III ou Canhão de Assalto III Stug III (Sd.Kfz. 142) foi desenvolvido para atuar como um canhão de assalto no apoio a infantaria alemã durante a Segunda Guerra Mundial. Foi construído em larga escala e terminou atuando como um caça-tanque nos últimos meses da Segunda Guerra Mundial.

Quer Fazer Parte de Nossa Lista VIP?
Preencha o formulário ao lado e faça parte de nossa lista VIP e receba as atualizações diretamente no seu e-mail.

Desenvolvimento

Em 1935 o então Coronel Erich Von Manstein propôs o Sturmartillerie (artilharia de assalto) unidades que estavam a ser formadas e que seriam utilizadas para o apoio direto as divisões de infantaria. Estas novas unidades deveriam ser equipadas com canhões de assalto montados em chassi rastreado. O objetivo principal era infiltrar unidades de assalto para derrotar ninhos de metralhadoras, armas anti-tanque e outros obstáculos inimigos. Deveriam substituir as peças de artilharia puxadas por cavalos o que proporcionaria mais mobilidade e proteção.

Em 15 de junho de 1936 a empresa Daimler-Benz recebeu a autorização para desenvolver um canhão de 75 mm montada em um veículo blindado de apoio a infantaria. A arma deveria atender a solicitação de inclinação mínima de 25° possibilitando atingir alvos no apoio direto até a 6 quilômetros de distância. A arma foi montada em uma superestrutura que forneceu proteção total a tripulação. A altura não superou a de um homem de estatura mediana, isso dava ao veículo um baixo perfil que dentro do campo de batalha facilitava a camuflagem e esconder de inimigos.

Miniatura do Canhão de Assalto Stug III do exército alemão. Esta miniatura esta confeccionada em cartolina e o soldado em resina.

Miniatura do Canhão de Assalto Stug III do exército alemão. Esta miniatura esta confeccionada em cartolina e o soldado em resina. Mais informações sobre esta e outras miniaturas produzidas em cartolina e resina podem ser acessadas na página do Facebook Miniaturas Militares.

Nesta época a Daimler-Benz estava envolvida no desenvolvimento e produção do Panzerkampfwagen III, mais conhecido como Panzer III, e optou por compartilhar o chassi e outros componentes na fabricação do novo veículo de artilharia.

No final dos anos 30 o primeiro protótipo foi apresentado equipado com um canhão de cano curto de 75 mm Skuk 37 L/24,  originario dos primeiros Panzer IV. A arma mostrou-se melhor do que a do primeiro blindado Panzer III. A baixa silhueta do veículo deixava o canhão com somente 1,95 m de altura, bem menor do que o Panzer III que apresentava 2,5 m de altura. O canhão foi instalado na frente do veículo, sem a utilização de torre giratória, com uma variação de 12,5° para esquerda e direita, isso significava que o veículo tinha que se virar  totalmente para o alvo toda vez que fosse atirar.

Conheça o canhão anti-carro de 37 mm utilizado pelo Exército Alemão durante a Segunda Guerra Mundial acessando o link abaixo.

Versões do Canhão de Assalto Stug III

Stug III Ausf. A

Lançada em dezembro de 1939, a produção em séria foi iniciada pela Daimler-Benz e o Stug III Ausf. A recebeu um potente motor V12 de 300 cv Maybach HL 120 TR. A versão Stug III Ausf. A teve 30 veículos construídos.

Paralelamente à produção do Ausf. B 20 veículos do tipo A foram construídos entre junho e setembro de 1940 pela Alkett. Esta versão tinha o chassi não modificado do Panzer III Ausf. F, e a estrutura do Stug III Ausf.b. Uma vez que a arma era tecnicamente idêntica a do Stug III Ausf.A eles foram considerados como Stug III Ausf. A

Stug III Ausf. B

Em junho de 1940 o modelo B estava sendo produzido em Alkett. Essa nova versão era montada em um novo chassi com nova transmissão Aphon equipada com seis marchas. Outras modificação incluíram correntes e rodas alargadas apresentando-se efetivamente para o papel de apoio. A estrutura do teto onde esta localizado o artilheiro também sofreram modificações.

Stug III Ausf. C

Em abril de 1941 o ausf.C  entrava em produção apresentando modificações na estrutura que era melhor optimizada contra incêndios. A visão do artilheiro foi melhorada, assim como a parte dianteira da estrutura diferente dos modelos anteriores.

Quer conhecer

Stug III Ausf. D

A versão D entrou em produção a partir de maio de 1941 e a diferença mais significativa em relação à versão C eram escotilhas internas.

Artigo Especial Com Veículos Terrestres das Forças de Operações Especiais.

Stug III Ausf. E

A versão E teve uma modificação mais forte, a estrutura nas laterais foi reforçada e um equipamento de radio avançado foi instalado. Essa versão também passou a carregar mais munição do que as versões anteriores, de 44 para 50. Outras melhorias incluíram modificações na parte frontal do veículo, suporte para duas rodas sobressalentes nas traseiras direita e esquerda. Estas mudanças foram aplicadas para veículos em operação.

Stug III Ausf.  F

Rheinmetall-Borsig projetou um novo canhão de 75 mm L/40 os primeiro 120 foram equipados com o canhão de 75 mm Stuk 40 L/43. O painel de acesso do motor foi modificado para proporcionar melhor ventilação do motor. O novo veículo estava configurado para ser empregado na luta anti-tanque, mas a blindagem adicional diminuiu o desempenho. A partir de junho de 1942 placas de 30 mm também foram adicionadas na parte frontal do veículo. A partir dessa versão passou a ser conhecido como Stug 40.

Stug III Ausf. F/8

Essa versão passou a ser construída a partir de setembro de 1942. Foi construído sob um chassi completamente novo, 8/ZW. A antena do equipamento de rádio foi montada de forma rígida. O layout da plataforma do motor era diferente. A seção do motorista foi envolvida com uma proteção de arame. A parte frontal recebeu foi configurada com placas em declive acentuada para serem niveladas com a parte do teto.

Stug III Ausf. G

O Stug III Ausf. G foi produzido a partir de dezembro de 1942 pela Alkett. A característica mais destacada desta versão em comparação com as versões anteriores foi a torre construída em forma de cúpula para abrigar o artilheiro. Essa modificação proporcionava ao artilheiro visualizar o ambiente em volta do campo de batalha a 360 graus, não mais sendo obrigado a expor sua cabeça para fora do veículo.

A partir de janeiro de 1943 uma MG foi montada como proteção no teto, em junho de 1944 uma coaxial MG também foi adicionada.

A blindagem foi reforçada com placas de aço de 30 mm na parte dianteira, em junho de 1942 a blindagem frontal sofreu novo reforço com placas de 80 mm. A partir de abril de 1943 as laterais também receberam reforços para suportar armas anti-tanque. Essas modificações aumentaram o peso do veículo para 24 toneladas.

No final de 1943 a blindagem foi aperfeiçoada através de uma estrutura composta, a versão G foi produzida até o final da Segunda Guerra Mundial.

Miniatura do canhão de assalto Stug III que acompanha um soldado confeccionado em resina. A miniatura do Stug III é feita em cartolina.

Miniatura do canhão de assalto Stug III que acompanha um soldado confeccionado em resina. A miniatura do Stug III é feita em cartolina. Mais informações sobre este trabalho na página do Facebook.

Stug III na Segunda Guerra Mundial

O canhão de assalto Stug III foi utilizado em todos os teatros de operações da Segunda Guerra Mundial, passando pelo Norte da África, França, Itália, Noruega, Balcãs e na Rússia.

No final da Segunda Guerra os Stug III eram muitas vezes realocados em outras unidades para atuarem como tank destroyer, destruidores de tanques. A partir de 1944 passaram a substituir carros de combate como o PzKpfw III, PzKpfw IV e até mesmo o PzKpfw V Panther. Essa pratica revelou-se um erro tático, visto que, os Stug III e IV não eram carros de combate e as tripulações necessitavam de um período de adaptação, porém a necessidade causada pela escassez de carro de combate tornavam essas medidas necessárias.

O canhão de assalto Stug III foi originalmente concebido como uma arma de assalto, mas como o avanço dos aliados contra o território alemão, tornou-se uma arma defensiva. Acabou evoluindo de maneira forçada de uma arma de assalto para uma tank destroyer – destruidor de tanques. Já no final da Segunda Guerra a principal missão do canhão de assalto Stug III era fornecer um suporte anti-tanque para as unidades em sua área de defesa, notadamente a versão Stug III Ausf. F – Stug 40.

A produção da série Stug contou com cerca de 10.500 unidades, a maioria concentrando-se na versão Stug III ao final da Segunda Guerra. O sistema mostrou-se tão eficaz e vital que unidades capturadas pelos soviéticos foram incorporadas ao Exército Vermelho atuando de forma variada dentro do arsenal soviético. A Finlândia também foi outra usuária do Stug III. Fácil de construir e relativamente barata quando em comparação a outros sistemas alemão, sendo que a série Stug III tornou-se uma peça fundamental do exército alemão dentro do campo de batalha, principalmente, nos últimos e derradeiros meses da Segunda Guerra Mundial.

Sobre Adriano Alves

Começou a escrever em blogues em 2009 como convidado e não parou mais. Hoje escreve em quatro blogues, trabalha em uma empresa como Analista de Suporte Técnico e tem como hobby ler, estudar, ouvir música, assistir filmes e seriados e, principalmente, colecionar miniaturas militares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Scroll To Top

Faça parte de nossa lista VIP!

Você quer ser o primeiro a receber nosso conteúdo? Basta cadastrar seu e-mail agora.

Thanks for subscribing. Please check your emailPlease fill in all required fields

Somos Contra SPAM!